sábado, 20 de abril de 2013

Batman 11 - Abril de 2013 - a decepcionante conclusão de "A Noite das Corujas"

Caso você ainda não tenha lido (e deseje ler) "A Corte das Corujas" e "A Noite das Corujas" (duas primeiras sagas do novo Batman), não deveria ler esta resenha, pois contém spoilers.
Eu, particularmente, não recomendo a ninguém a leitura desta saga, devido a sua má-elaboração.

Como parece obvio para quem leu o volume anterior, este capitulo começa com o combate que já estava prestes a ocorrer entre Batman e Lincoln March, após este revelar ser membro da Corte das Corujas e irmão de Bruce Wayne (?).

O combate entre ambos se desenrola com intensidade em meio a uma discussão, sendo um bom combate, com Bruce usando como armas aquilo que faz com que seus fãs o admirem: força de vontade e inteligência, somadas a sua habilidade e tecnologia. A batalha se encerra com uma vitória de Bruce, após muito apanhar, tendo ficado com diversas fraturas após o combate.

Ao final da revista, já repousando em sua mansão, Bruce tem uma breve conversa com Dick Grayson, lhe revelando que aquilo que Lincoln havia dito era verdade, Bruce teve um irmão, no entanto Lincoln havia sido manipulado pela Corte para acreditar que era ele o tal irmão perdido.

Os diálogos e textos, assim como a arte estão com uma boa qualidade, porém são muito menos do que eu esperava para a conclusão de uma saga que levou onze meses para se desenvolver.

Dizer que Bruce teve um irmão que morreu ainda recém nascido, ao meu ver, é o mesmo que não dizer nada.
Não cria nenhum alteração real para a série, tendo servido no máximo para aumentar as vendas dessa edição, a final, todos deviam esperar explicações após essa estranha revelação na revista anterior.

Não consigo enxergar nesta história a "épica conclusão" anunciada na capa da revista, de épico temos apenas o combate, mas que não faz valer o dinheiro gasto nas revistas anteriores da saga.

Esta décima primeira edição valeu mais pela breve estória que vinha ao final, sobre a morte de Jarvis Pennyworth, o pai de Alfred, sendo este curto conto muito mais interessante tanto no que diz respeito a arte de Rafael Albuquerque e Dave Mccaig quanto aos textos, diálogos e o roteiro como um todo.

Finalmente, a Corte das Corujas acabou, e peço aos deuses que o próximo arco - que deve começar mês que vem - seja melhor desenvolvido do que este, pois é lastimável ver um personagem tão interessante envolvido em uma história de tão baixa qualidade.

Batman contra o Capuz Vermelho

Há algum tempo atrás vi esse filme em uma locadora próxima a minha casa, cheguei a aluga-lo duas vezes, mas voltando cansado após trabalho e estudos não consegui assisti lo ate o final, só o concluindo em um fim de semana na casa de uma amiga.
Tecnicamente o filme tem uma boa dublagem, assim como uma boa qualidade gráfica e de animação (nada excepcional, mas ainda assim bom).

Antes de falar a respeito da historia, se faz necessário esclarecer um detalhe que costuma ser desconhecido do pessoal que não lê quadrinhos do Batman:  Robin não é exatamente uma pessoa, mas sim algo mais próximo de um "cargo", tendo Bruce Wayne sido acompanhado ao longo do tempo por cinco diferentes jovens que vestiram o manto de Robin.
Este filme começa com a morte de Jason Todd, o segundo Robin, pelas mãos do coringa.
Anos depois, com Bruce já tendo superado o ocorrido, um vilão que se intitula Capuz Vermelho começa a dominar o trafico de drogas de Gotham, unificando grupos criminais sob seu domínio.

Batman obviamente se opõe a ele, porém conforme o investiga e confronta começa a notar uma sinistra similaridade de Capuz Vermelho com Todd...
...qual seria a explicação para isto?
Batman contra o Capuz Vermelho (Under The Red Hood, no original), nos traz pouco mais do que uma hora de boa ação e drama excelente, tanto na cena inicial quanto nos trechos em que o Homem Morcego contracena com Capuz Vermelho, ou nas cenas nas quais Bruce se lembra da perda de seu intimo amigo - quase que um filho - a da mágoa ainda carregada, tendo ocorrido uma abordagem fiel ao ar sombrio próprio do cavaleiro das trevas.

Para mim o único defeito realmente marcante foi uma cena inverossímil no inicio dl filme, na qual Batman - o homem que mal conversa com o próprio filho - gasta algum tempo dando explicação a marginais que acabara de prender para que certos elementos do filme façam sentido para quem não costuma ler quadrinhos.

Batman: contra o capuz vermelho é um bom filme,  só não espere dele um "clássico eterno".
O filme pode ser encontrado em locadoras ou pela internet, para os que preferirem.