sábado, 16 de novembro de 2013

Os Miseráveis - Sofrimento, Drama, e Heroísmo no melhor musical dos últimos tempos


Adaptação para o cinema de um consagrado musical da Broadway - que, por sua vez, é a adaptação de um clássico livro de Victor Hugo - "Os Miseráveis" é, de longe, um dos melhores filmes que já vi.

O filme nos conta sobre Jean Valjean, um francês pobre no período da revolução francesa.
Após dezenove anos em um campo de trabalhos forçados por ter roubado uma fatia de pão, Jean recebe liberdade condicional, porém vivendo ainda na miséria devido a dificuldade de conseguir um trabalho com sua documentação de ex-presidiário.

Após passar por desventuras, Jean acaba resolvendo abandonar sua vida de mendicância para se dedicar a propósitos maiores, buscando fazer tudo o que estivesse a seu alcance para aliviar as dores de outros tão desfavorecidos quanto ele foi.

Em meio a sua cruzada, Jean acaba por se comprometer a cuidar da órfã Cosette, a qual ele passa a dedicar sua vida e que acaba por ser - indiretamente - a razão de seu envolvimento na revolução francesa, assim como de todas suas aventuras no restante da estória.


Sendo uma adaptação de um musical, o filme conservou o mesmo modelo com quase que a totalidade de seus diálogos cantados com maestria.
A trilha sonora é quase que idêntica a usada em sua versão de palco - que, diga-se de passagem, é excelente, tanto pela capacidade dos atores no canto como pelo instrumental, dando destaque para o dueto em "The Confrontation", a triste e bela "I Dreamed a Dream" e "At The End of the Day", que segue abaixo em vídeo (preste atenção no trecho entre 00:20 e 00:40).



Os mesmos temas musicais são usados diversas vezes ao longo do filme, com novas letras, como se fossem uma "segunda versão" da musica, um tema próprio de cada situação ou personagem.
E diferente do que possa parecer, isso não torna a trilha sonora repetitiva, mesmo quando se trata de um tema que foi usado duas ou três vezes.

Seja nas chagas e feridas dos miseráveis, nos belos e luxuosos palacetes em que vivem alguns poucos nobres, no equipamento dos militares e revoltosos ou na sujeira das lúgubres ruas francesas, os figurinos, maquiagens, e cenários são excepcionais, fazendo com que nos sintamos realmente dentro da frança da época.

As atuações são excepcionas (tendo, inclusive, ganhado oscar de "melhor atriz  coadjuvante" e uma indicação a "melhor ator"), conseguindo, em conjunto com as excelentes trilhas sonoras levar mesmo os mais frios as lagrimas, seja de comoção com o sofrimento e a injustiça pelos quais passam os personagens, sejam pelos inspiradores atos de heroísmo que Jean Valjean insiste em realizar,  apesar de todas as dificuldades, riscos e dores necessários para  fazer aquilo em que acredita.

Em seu misto de romance e drama apresentados na forma de um musical, Os Miseráveis é extremamente poético - tanto visualmente como no que diz respeito aos diálogos - sendo capaz de arrancar lagrimas mesmo dos mais duros.
No entanto, seu drama é sempre balanceado pelo idealismo e heroísmo de Valjean, que tiram o filme do clima de uma "tristeza sem solução" que, por vezes alguns dramas nos transmitem.

Os Miseráveis é um filme que não pode, em hipótese alguma, ser ignorado, principalmente para os que são fãs de musicais, drama ou filmes históricos.
Se ainda não o assistiu, corra para alugá-lo (ou baixá-lo) tão logo possa!

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Resenha: Thor 2 - O Mundo Sombrio - Belo, Engraçado, mas para por ai.

Bem, antes de tudo acho bom avisar duas coisas.
Uma delas é que eu dormir depois que Loki e Thor chegaram no reino dos elfos negros e só acordei na batalha final (antes que xinguem, no começo do filme já se torna extremamente obvio que isso aconteceria, então nem chega a ser spoiler), de forma que posso falar algo de errado em função de algumas cenas perdidas.
A outra é que o texto esta livre de spoilers, para a sua alegria. Existem menções a acontecimentos do filme, mas todas feitas de formas velada ou se referindo a coisas que ficam claras logo no início do filme.

Após os eventos de "Thor" e "Os Vingadores", Thor está envolvido em conflitos para assegurar a paz nos nove mundos, adiando contra sua vontade seu encontro com Jane, sua amante de Midgard.
Quando fenômenos estranhos começam a acontecer na terra, Jane acaba novamente se envolvendo em perigos que levam Thor a seu socorro, desencadeando todos os acontecimentos do filme.


O enredo do filme a princípio parece um clichê simples (principalmente pelo que era mostrado nos trailers), no entanto acaba por ter uma certa originalidade - nada genial, mas o filme conseguiu me surpreender em alguns momentos, e teria me surpreendido ainda mais se todos os trailers na televisão e internet já não tivessem exibido exaustivamente que Thor pediria ajuda para Loki.
Na verdade, a meu ver a surpresa esta mais por conta de os trailers terem me dado a impressão de que o filme teria um enredo deplorável, de forma que tendo contato com um filme razoável já me senti surpreendido.

Embora não seja tão cômico como "Os Vingadores", o filme pôde arrancar boas risadas de mim e do restante da sala de cinema enquanto ainda mantinha um ar de certa seriedade em cenas que tendiam mais a ação e por vezes drama.

A maior parte das cenas estavam bem executadas - "apenas bem", nada de excepcional nelas - excetuando talvez a morte de uma pessoa, que foi muito mais breve e menos dramática do que ela merecia.

Visualmente, tivemos uma Asgard majestosa, com bons efeitos em 3D. A caracterização se manteve similar a do primeiro filme de Thor, com seus tons dourados, grandes edificações e palácios e tecnologia movida a magia (ou qualquer droga parecida com isso) como em Bifrost.
Os elfos negros, muito presentes no filme, também estiveram com um design interessante graficamente, além de terem uma língua própria e bem assustadora, digna dos vilões que são.
Embora suas motivações não sejam originais, seu comportamento e aparência rudes, sujos e vilanescos os tornam aceitáveis.

Me sinto estranho de estar dizendo - e talvez seja apenas um efeito de ter assistido ao filme com bastante sono - mas os diálogos entre os personagens estavam todos muito bem escritos, sendo um dos fatores que elevou a qualidade do filme.

De 0 a 10, eu daria uma nota de 7,5: Thor 2 - O Mundo Sombrio é belo e engraçado, mas para por ai.
O filme não é nenhum clássico, no entanto pode ser divertido principalmente para quem gosta de quadrinhos - por que para quem se interessa por mitologia, será decepcionante.
Para encerrar, digo que as cenas pós-créditos - como já é típico dos estúdios Marvel - nos deixam ainda mais ansioso para os próximos filmes.
Em breve, Capitão América e Vingadores 2 estão chegando!

Aguardem ansiosos, nerds!